Pular para o conteúdo principal

Escola grande!


Conforme o tempo corre eu começo enxergar melhor as diferenças entre a escola pequena e a escola grande. Além do espaço físico, que é uma coisa bem óbvia, existem coisas que a gente vai aprendendo durante todo o processo de adaptação.


A escola que a Ana estava era direcionada exclusivamente para a educação infantil. Lá tínhamos livre acesso às salas e ambientes da escola, sempre respeitando alguns poucos limites existentes. Era como se a escola fosse uma extensão do nosso lar. O espaço também era bem reduzido, assim como o número de crianças. Salas menores, área de lazer menor. Sentia-me segura porque era uma experiência "controlada" e eu já sabia (mais ou menos) o que esperar.


Quando tomamos a decisão de trocar a Ana de escola, optamos por uma escola maior. Essa vai do maternal ao 9º ano. Tem uma professora na porta quando chegamos, que nos recebe e interfona pra sala do aluno da educação infantil para que uma das profes venha receber o aluno e conduzi-lo até a sala. Há uma interação entre mini-alunos e os alunos maiores (tudo conduzido pelos educadores), as refeições são feitas no refeitório, higiene no banheiro infantil, atividades dirigidas, tudo muito organizado e bacana. E é super engraçado ver a Ana Luiza andando pelo corredor da escola... toda faceira e indepente! Melhor que isso é só ver o jeito que ela me conduz pela escola, mostrando o parque, a sala, um sarro!


Lógico que a insegurança bateu quando vi toda aquela quantidade de alunos, todo aquele tamanho da escola, mas as pessoas que me atenderam e que são responsáveis pela minha pequena, me deixaram super tranquila, sempre atendendo prontamente, sem aquela necessidade de marcar horário com dias de antecedência. Sabe como é, as vezes, insegurança de mãe e respostas pras suas dúvidas não podem aguardar nem 15 minutos, é legal ter um retorno rápido... E eu que achava que as coisas iam esfriar, que seria mais impessoal... que nada! As funcionárias já me conhecem pelo nome! É do tipo: "Oi FABIANA!" e não "Oi mãe"... gostei disso!


Maaaas, como nem tudo são flores... algumas coisas me deixam meio "de cara" como: pais sem noção que estacionam o carro na fila (tem estacionamento na escola, não sei por que param justamente na fila que tem que andar!), as vezes a agenda dela não vem na bolsa (adoro ler a agenda! É um dos modos de saber como ela está evoluindo, o que tem feito, etc...). Faz parte! É uma maneira de lidar com diferenças, aprender a ser mais tolerante, etc... exercício de paciência!


O importante é: sei que ela está bem, que está aprendendo e gostando muito da escola. Todo dia de manhã, quando a gente está se arrumando ela pergunta: "Mamãe e Papai baiá? (trabalhar?)"... Respondo que sim, que precisamos trabalhar e pergunto pra onde ela vai. Toda faceira ela responde: "Cóia! Tia Nay!" Fico beeeemmm feliz, porque antes, quando eu falava escola, ela chorava muito!!!


Então, ao que tudo indica, acertamos dessa vez!!!


Beijos e uma ótima quinta!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…