Pular para o conteúdo principal

A mordedorinha...

Eu sempre tive medo do que poderia acontecer com a Ana Luiza na escola. Neura básica de mãe: será que ela vai chorar? Vai sentir minha falta? Vai comer? Dormir? Será que ela vai morder os coleguinhas? Ou será que ela vai ser mordida? E a lista não termina... uma coisa... Mas agora, com ela maiorzinha, falando aos quatro cantos, eu fico um pouco mais tranquila, pois posso acompanhar aquilo que não posso ver.
E nessa de acompanhar, eu passei a ver também. A minha filhota, tão bem cuidada, chegando em casa com mordidas e, algumas vezes, reproduzindo comportamentos agressivos. Foi uma ducha de água fria. Lógico que a gente "entende" que pode acontecer afinal, a mordedora poderia ser a minha filha. Acontece, mas não é certo, é preocupante, quando o troço vira rotina. A gota d'água foi o dia que ela chegou com o dedão PRETO (sabe sangue preto?!) embaixo da unha. A "mordedorinha" mirim tinha tascado os dentinhos no dedo da minha filha, a ponto de deixar a carne debaixo magoada. Cara, imagina o quanto minha filha não chorou... isso faz mais de 30 dias e o pretinho ainda está no canto do dedão.
Fui eu, calma e serena, conversar com a coordenadora da escola. Expliquei, contei, pedi ajuda, pedi que providências fossem tomadas. Não contra a "mordedorinha", mas que as professoras e auxiliares ficassem mais atentas, poxa! Beleza, papo ótimo e não se repetiu.
Quando foi na sexta, fui dar banho na Ana. Ao tirar a blusinha dela, uma marca vermelha, horrorosa, me chama a atenção. Uma mordida no ombro. E eu podia contar 5 dentes ali. Corri olhar a agenda: NADA! Como das outras vezes, sentei com a Ana Luiza e perguntei o que tinha acontecido. Meu... ela narrou a judiação. Começo, meio e fim. Tem noção?! Imaginem o quanto eu fiquei put@ da vida. Ninguém viu?! Nem um bilhete?! Só pode ser brincadeira!!
Mais uma vez, minha filha foi alvo da mesma "mordedorinha". Eu poderia até achar exagero, que a Ana Luiza tinha provocado e tals... mas eu e o Rafa já vimos a "mordedorinha" fora do ambiente escolar tentando morder o OLHO da Ana. É mole?! Ana Luiza brincando na piscina de bolinha e a menininha voou em cima dela, direto com os dentes no OLHO da minha pequena. Por sorte a gente estava perto...
E ontem, procurei a coordenação mais uma vez. Daí vem toda aquela explicação pedagógica, que faz sentido, mas não resolve o problema. Então, surgiu a oportunidade de trocar a Ana Luiza de classe. Ela é uma das mais velhas da salinha dela (Maternal I), mas o nível de compreensão e desenvolvimento dela é mais avançado, seria uma boa ela conviver com crianças maiores (com 3 anos) ou da mesma faixa etária. A coordenadora explicou que isso (mordidas e afins) acontece mais no maternal, pelo fato de serem mais bebês; que no Maternal II acontecem desentendimentos, mas não como esses. Depois de uma longa conversa e uma conversa com o Rafa (em casa) optamos por colocar a Ana em outra classe. Os amiguinhos são os mesmos que ela convive de manhã e a sala tem menos alunos. Acreditamos que vai ser bom pra ela.
Com a coordenação, foi uma conversa bem franca, bem bacana... eu não quero que a "mordedorinha" seja banida ou colocada de lado. Eu quero que a coordenação converse com a mãe, pai e responsável e tentem identificar de onde vem esse comportamento agressivo. Se é "amor de mula" ou se é agressividade. Que as professoras e auxiliares fiquem mais atentas e informem SEMPRE aos pais das coisas que acontecem. O detalhe é que a coordenadora já avisou a mãe da menina, mas ela não apareceu pra conversar. Desde segunda... ou ela não olha a agenda, ou tem alguma coisa muito errada nisso.
Pode ser que eu esteja mais sensível por conta da gravidez, mas eu fiquei chocada quando minha filha demonstrou e contou as coisas que a "mordedorinha" fazia. Eu achava que poderiam ser eventos aleatórios, que outras crianças tivessem feito, mas era sempre a mesma menininha. SEMPRE! O "problema" da minha filha está quase que resolvido, mas e essa menininha?! Quem vai resolver o dela?
Beijos

Comentários

Renata disse…
Eu acho que vc está certa. Claro que a mordedorinha não deve ser punida, mas as professoras deveriam estar mais atentas e, obviamente, deveriam ter te avisado.
Tadinha da pequena...
beijos
Carol Carvalho disse…
Nossa Fá, imagino o quanto vc ficou possessa com essa "brincadeira". A gente educa, cuida com tanto amor e tem q ficar vendo o sofrimento dos filhos desse jeito =/
Claro que a Ana q poderia ter feito isso. Mas teria certeza que vc ja teria tomado as devidas providências!!
bjos em vcs queridas
Cris disse…
Fá, é complicado né, qnd acontecem eventos assim...
As educadoras têm que estar mais atentas, para evitar que ocorram tantas vezes...e machuquem tanto...
Lucas tb uma vez veio assim, machucado, na bochecha, uma única vez, a diretora me ligou para que eu fosse lá, eu fiquei mto chateada, pq doeu mto no Lucas.
A Lu já entrou no MII então nao sofreu com isso...

Beijoo
Sol! disse…
Fá do céu! Eu estou "quase"do outro lado da moeda! O Theo tem só 10 meses, mas é muito estabanado, e uma das formas de manifestar seu ämor"é mordendo o queixo da mamãe, o nariz do papai, a bochcecha do irmão... Sempre que ele vem pra me morder eu dgo muito Séria: "Não Theo, não pode, isso dói!"mas ele nem se abala, e logo começa a tentar morder de novo... O que fazeR? será q é normal? eu sei que meninos são geralmente mais agressivos do que meninas, mas será q todo menino osta tanbto de morder os papais e o irmão mais velho assim? E ele também já me arranhou feio (eu sei, deveria ter cortado a unha dele mais cedo, e agora nao descuido mais no quesito garras de gaviao) mas chegou a sair sangue do meu nariz! E de verdade, não sei de onde vem tanta agressividade... Graças a deus ainda não aconteceu nada parecido com a "mordedorinha"... E espero que não aconteça né! hehehe bjocas

Postagens mais visitadas deste blog

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…