Pular para o conteúdo principal

BLOGAGEM COLETIVA - MATERNIDADE REAL


Esse tema veio na hora certa... com a chegada do Gustavo, comecei a me questionar que tipo de mãe sou eu: a real ou a idealizada. Lógico, eu sou a real. Cheia de defeitos, de crises internas, do coração grande, da hora da bruxa e da hora do muito amor de mãe.

Quem me tornou mãe foi a Ana Luiza. Quando ela nasceu eu queria ser a mãe idealizada, daquelas perfeitas, com bebê de comercial de margarina. E eu não poupava esforços. Lógico, pra ser perfeita eu extrapolei todos os meus limites físicos e mentais. Até a hora em que eu surtei, chorei e joguei a toalha. Joguei a toalha no sentido de que eu entendi que eu deveria ser a melhor dentro das minhas limitações, dentro daquilo que eu acreditava. E assim, a maternidade se tornou mais light com a Ana Luiza. Foi deixando a mania de querer ser "perfeita" que eu pude curtir mais a maternidade.

Mas daí, me vi grávida novamente. Lógico que as neuroses surgiram, mas muito mais do que rápido eu fiz todas sumirem. Foi mais fácil quando o Gustavo estava na barriga e eu não tinha que lidar com pós parto, amamentação, casa, cachorro, marido e, de brinde, uma mocinha birrenta de 3 anos.

A gravidez do Gustavo foi totalmente diferente da gravidez da Ana. Eu estava tão atarefada com coisas do dia a dia, cheia de trabalho, cuidando da Ana Luiza, que muitas vezes eu esquecia que estava grávida. Não tive intercorrências, me sentia bem disposta (depois daquela fase de enjôos) e buscava algo diferente, meu VBAC, para que EU pudesse passar por essa experiência e meu filho também. Infelizmente, as coisas nem sempre acontecem como a gente espera. Depois de quase 6 dias em pré trabalho de parto e com a pressão nas alturas, fui pra faca novamente.

Quando chegamos em casa, mais uma vez eu caí na cilada de querer ser perfeita. Mas dessa vez durou bem menos e eu não atingi o fundo do poço e nem surtei. Eu obedeci aos meus instintos de mãe e mulher. É óbvio que tem dias que dá vontade de sair correndo e gritando, mas na maior parte do dia, olho pros meus filhos e vejo o quanto sou abençoada. E o quanto eles também são, afinal eu sou a mãe deles e me esforço sempre (dentro dos meus limites) pra ser a melhor possível.

A minha maternidade real é:

- regida por instinto
- não obedece padrões e nem receitas prontas
- não é slogan de família de comercial de margarina
- é cheia de amor, carinho, risadas e brincadeiras
- mas também tem pisões na bola, erros e remendos

EU SOU A MELHOR MÃE QUE EU POSSO SER! DEFINITIVAMENTE!!!!



Comentários

É isso ai, nós somos as melhores mães que podemos ser , adorei seu post .

bjus
Fa, com certeza vc faz o seu melhor. E o segundo, acredito, nos da sabedoria e mais desprendimento. Todas temos o lado cansativo, frustrante e desesperador. Normal. O que realmente importa é o amor, aconchego, colo. E recebemos em troca o amor mais genuino e puro do mundo!
Bjs : )
Cris disse…
É isso mesmo, Fa.

A melhor mae que podemos ser faz uma linha tenue entre a loucura e o equilibrio.

Beijao em vcs, curtam o novo membro fofo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…