Pular para o conteúdo principal

Quando a licença tem data pra terminar...

Dia 11/07 eu volto ao escritório. Digo ao escritório porque ainda estou trabalhando de casa. Não parei 100% porque tem coisas que eu simplesmente não consigo terceirizar, tenho uma péssima mania/defeito: centralização. Queria ser mais desapegada, mas simplesmente não consigo.

Pretendo trabalhar meio período até Outubro, quando o Gus estiver com quase 7 meses, assim como fiz com a Ana Luiza. Ela mamava no peito e queria estar com a introdução de sólidos "em dia" para que ela fosse pra escola em período integral, logo, a introdução foi antes dos 6 meses, o que deverá acontecer com o Gustavo também. Prefiro que eles comam frutas, verduras, legumes, do que sejam entupidos de LA o dia todo. Acho mais saudável...

Como a licença termina, vem aquele lance da escolinha. E isso, minha gente, tem me tirado o sono ou me dado pesadelos. A escola da Ana não aceita bebês com menos de 7/8 meses e dessa vez não tem "escolinha da Dinda", onde eu confiava de olhos fechados. Dessa vez meu filho tão pequeno e indefeso vai "pro mundo". Já fiz algumas pesquisas, tenho algumas coisas em mente e algumas escolinhas pra visitar. Tem berçário de todo o tipo: sem noção, caro demais, barato demais, sem infra, com infra, mas é preciso ir até cada um deles e sentir o clima do lugar, conversar com diretora, pedagogas, professoras, tias da limpeza, mães de alunos e bebês, com quem der pra se ter uma noção do que se passa e só assim tomar uma decisão definitiva.

Tá, tudo bem, não é assim TÃO definitiva, uma vez que com 7/8 meses nós pretendemos que os dois (Ana e Gus) estejam na mesma escola. Gostamos da escola da Ana e a Ana adora também, não queremos que ela passe por mais uma adaptação, mais um dos motivos que nos levarão a colocar o Gus lá também.

Confesso que estou ansiosa pra essa nova etapa, vai ser tudo novo pra mim e pras crias. Estou com saudades do ambiente do escritório, das pessoas, das cobranças e do tempo contadinho. Tenho saudades de me arrumar, de levar e buscar na escola, conversar com as pessoas, respirar ares diferentes. Ser apenas eu por 4 horinhas no dia. Vai ser bom pra mim e com certeza pros meus filhotes.

Mas como mãe é um ser cheio de culpas e conflitos, fico pensando em como vai ser a adaptação do meu vermelhinho, tão grudado com essa mamacita que vos escreve. Será que ele vai chorar? Será que vai ter colinho quando ele precisar? Que vão trocar a fralda dele direitinho? Enfim, todas as nóias de mãe. Dá até vontade de instalar uma câmera no botão do tiptop! kkkkkkkkkkk...

Beijos de uma mãe ansiosa pelo futuro... hehehehehe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…