Pular para o conteúdo principal

Calmaria, sua linda!


Depois de vários estresses, chororô, brigas e todo aquela loucura a calmaria finalmente se abancou em casa. E que ela tenha vindo pra ficar.

Assim como a mudança radical no comportamento do Gu veio, ela foi. Confesso que não foi nada fácil, que achei que nunca iria acabar e que não daria conta. A frustração estava enorme. Mas, voltamos à rotina em casa. Depois da fase xilique Gustavo mudou o horário de dormir e está mais "tagarela". Ele dormia por volta das 20h, agora dorme por volta das 21h. Não é nada ruim, pelo contrário, tem sido bom. Assim podemos esticar nossas saídas sem que ele esteja cansado demais quando a saída vai um pouco além do esperado. Ele fica mais ativo, brinca, quase não chora. Super bom isso! 

Quanto à tagarelice, ele ainda não fala. Somente: mamã (mamãe), papá, dadá (papai), bobó (vovó). Mas ele "fala" muito na sua língua. Pelos cotovelos. Ele conversa com a Ana Luiza, que é a única capaz de manter um diálogo com o Vermelhinho. É super engraçado, porque parece que eles estão conversando em alguma espécie de língua secreta. Fofo demais! Quando resolvo participar, eles não curtem muito, mas caem na risada, dois cúmplices.

Ana Luiza ainda tem altos e baixos. Mas quem não tem? Eu mesma pareço uma montanha russa, com a diferença que eu sei o que posso ou não exteriorizar. E ela é apenas uma garotinha de 4 anos. Estou tentando uma nova postura. Antes de perder a linha, conto até 10, me coloco no lugar dela, sento e converso. Se não tenho retorno, simplesmente digo: "Você vai ter que fazer tal coisa e pronto!" Isso tenho usado principalmente com a zona que se instala no quarto dela e na sala após as brincadeiras. Estou evitando o excesso de negociações (se vc fizer isso, ganha isso) porque era uma coisa que estava nos atrapalhando. 

Dia desses fui pra casa mais cedo com ela pra arrumar seu quarto novo. Ela ficou no antigo, jogou zilhões de brinquedos no chão. Daí, foi no quarto e me chamou porque queria ver um filme. Pedi que ela guardasse os brinquedos e ela disse que não, porque estava cansada. Expliquei pra ela que ela fez a bagunça e que teria que guardar, que ela ficaria todo o tempo necessário no quarto até terminar tudo. Ela fez aquela carinha fofa, mas não me dobrou. Demorou, mas todos os brinquedos foram guardados e arrumados em seus lugares. Sem estresse, apesar dos protestos. 

Ela percebeu que toda ação dela vai gerar uma reação/consequência, que se ela pode brincar e bagunçar seu quarto, quando terminar e quiser fazer outra coisa, vai ter que arrumar tudo no seu devido lugar. Não precisei prometer, trocar, nem nada. Lógico que rola reclamação, mas elas têm diminuído muito! Benza Deus! Acredito que, logo, as minhas determinações não serão mais necessárias, que ela vai fazer sem precisar pedir! :)

A verdade é que, com as coisas entrando nos eixos, eu tenho me sentido melhor. Menos desorientada, menos estressada. A casa está organizada, as crianças estão mais tranquilas. No final do dia eu consigo sentar no chão e aproveitar a companhia delas até que o Rafa chegue do trabalho e se junte a nós! Tudo de bom!

Boa semana!!!

IMAGEM DAQUI.

Comentários

Pri Lemasson disse…
Oi Fá, que bom que a calmaria voltou!!
Sabe, minha psicologa nos ensinou a dizer: EU QUERO.
E é bem assim aqui em casa: Eu quero que vc arrume seu quarto.
Eu quero que você vá tomar banho.
Confesso que no começo eles relutam mas depois de uma semana eles fazem sem nem questionar.
Um livro que fala sobre o porquê dessa atitude é ótimo para você entender melhor: A equação da afetividade, de Ivan e Iuri Capellato. Vale a pena!!!
Super beijos!!!
Pri, esse negócio de "EU QUERO" é verdade e tem dado certo!!! hehehehehehe


Juliana Ribeiro, eu aprovei seu comentário, mas ele não aparece! AAAAAAAAAAAAAAAAA!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…