Pular para o conteúdo principal

Paciência, cade tu?

Mais uma vez vou reclamar da minha total falta de paciência.

Procuro fazer tudo certinho, tudo bonitinho, mas ultimamente tá fróids! 

O estresse tem me levado à loucura. Eu olho minha cara no espelho e vejo uma expressão de pânico. Sabem aquelas mulheres doidas, descabeledas, com olheiras, com cara de amargura. Pois é... São fichinha perto da minha cara. FI-CHI-NHA! Isso é grave, triste.

Sempre quis ter filhos, ser mãe. Mas ultimamente ando questionando minha qualidade materna. Brinco no chão, dou colo, dou carinho, cuido de toda higiene, da saúde, educo, mas ainda assim eu tenho dois filhos que adoram um drama, uma crise. 

O Gustavo está em uma fase crítica. Parece que o tal do "Terrible Two" chegou aos 15 meses. Ele grita, chora, se cospe, se joga. Nada tá bom. Se está no chão, quer colo. Quando pego, ele se joga pro chão. E daí começa uma gritaria sem fim. Já pensei até em comprar protetor auricular, porque ele berra com uma força, uma vontade. 
As noites, que estavam tranquilas, com quase 12h de sono ininterrupto, viraram uma operação de guerra. Dia desses ele gritou e esbravejou das 20 às 1 da matina. Já estava exausta, achando que o guri nunca mais fosse pregar o olho. Ele estava agitado, parecia que tinham formigas na roupa dele. Quando ele começa a dormir, começava a sacolejar, abria o olhão e buááááááááááá! E eu com cara de pastel, sem saber o motivo de tanto escândalo. 

Ana Luiza ganhou um quarto novo. Finalmente terminamos de pintar, montar armários. Agora estamos decorando e o cantinho dela tá ficando uma lindeza. Agora, caro leitor, pergunte se ela tá dormindo na sua cama?! Rá! Dorme, mas acorda 593 vezes pra ir pra nossa cama. Daí ficamos naquela sessão: vem pra cama-dorme-carrega pra cama dela-acorda-vem pra cama-dorme-carrega, tudo isso 593 vezes na madrugada. Cansa.
E com esses surtos noturnos do Gustavo a madrugada vira um pandemônio. Tô começando a ter pânico da hora de ir pra cama. 

Daí que eu acordo um bagaço. E, com as noites de sono ruim, eles acordam cedo e mal humorados. E ficamos os três, com cara de bunda. Eu não posso choramingar, pega mal. Mas os dois... sangue de Jesus. É uma sinfonia de choramingos e gritos que dá vontade de arrancar os cílios com pinça. Gustavo foge porque não quer trocar de roupa, porque não quer trocar fralda. Quando finalmente cato o guri, ele se contorce feito uma minhoca eletrocutada e, se eu bobear, voa merda pelo quarto todo. Depois que ele tá pronto, que pode ficar livre, brincar, enfiar o dedo na tomada, etc, ele esperneia que quer me colo. JUSTO quando preciso arrumar a Ana e me arrumar. 

Ana Luiza choraminga porque quer colocar o tênis de cadarço (que está enorme), porque a blusa rosa tá amassada, porque a calcinha do pinguim sumiu, porque o fulaninho da escola fez isso e porque quer mamá com Nescau. Assim, sem intervalo. Ela poderia narrar partida de futebol, porque tem um fôlego invejável. Pra pentear o cabelo só amarrando negociando. 

Quando estão os dois, prontinhos, eu busco meu momento dignidade. Mas não dáááááááá! Eu tenho que me arrumar voando, me maquiar em tempo recorde e deixar o quarto menos zoneado em 5 minutos. Tô vendo o dia que vou chegar no escritório com as roupas do avesso e um sapato diferente em cada pé. 

Não estou conseguindo fazer nada pra mim. NADA. Fico chateada por não "me curtir", mas o que mais me irrita é saber que eu não estou curtindo meus filhos. Que os momentos de birra tiram tanto a minha paciência que eu deixo de curtir os momentos legais com os dois. É frustrante, como mãe, escrever tudo isso. Porque quando a gente engravida, fantasia uma maternidade que nem sempre conseguimos realizar, que é muito mais fantasiosa do que real. Ter filhos é simples, a gente transa, a menstruação atrasa, a barriga cresce, o bebê sai e pronto. Tive um filho. Mas ser mãe é DIFÍCIL. Temos que lidar com todos os tipos de dificuldades, cuidar de filho doente, educar, dar afeto, dar limites. Ser mãe é totalmente instintivo. Nenhum manual te ensina a criar seus filhos (tudo bem que tem um monte de livros nas prateleiras que te prometem isso, mas é só uma pontinha das coisas que realmente passamos), a gente tem que estar ali, presente, buscando o melhor, nunca deixando a peteca cair. Pra criar gente bacana e honesta, não basta comprar enxoval da melhor qualidade, tem que dar uma base de melhor qualidade. 

Talvez meu texto tenha ficado meio estranho, confuso, mas acho que a maioria das mães vai entender. :)

E, enquanto isso, eu sigo instintivamente buscando o equilíbrio pra mim, procurando a paciência que parece ter se esgotado...rs



Comentários

Anônimo disse…
Olá !!!!!!Tenho lido seus post e me identificado muito com eles !E se de hj? Parece que eu que escrevi!!!!Deus nos dê paciência...Mas felizmente (ou não) tudo isso irá passar. Abraço
Juliana Ribeiro.
Renatha disse…
Eu simplesmente adorei o seu texto..achei o máximo de verdade hahaha! beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Adenóide

Ana Luiza sempre teve um sono meio agitado, mas eu achei que isso era dela. Mas dormindo com a gente, mesmo agitada, ela dormia.
Então, um belo dia, ela foi dormir na casa da avó e ela me perguntou como a gente conseguia dormir com a barulheira e agitação da Ana. Dei risada, porque achava que era coisa de avó, mas uma luzinha vermelha acendeu e comecei a prestar atenção nas madrugadas. 
Gente, que dó! Que MENAS MAIN! Ana Luiza ronca horrores, chega a ficar sem ar, respira só pela boca... Comentei com a pediatra e ela me disse que poderia ser adenóide. Lá fui eu "googlar" o que era essa tal de adenóide. Grosseiramente falando é uma "carninha" que se forma no fundo do nariz e que atrapalha a entrada de ar. Ela pode se resolver sozinha até os 6 anos, mas alguns casos resolve-se com uma cirurgia simples. Cirurgia = MEDO!
Fizemos o raio-X solicitado e apareceu um comprometimento de 2/3. 2/3!!!! PQP!!! Então, a pediatra prescreveu homeopatia para que fossemos acompanhan…

Doença da mão,pé e boca - Doencinha das Trevas

Sábado, casório pra gente ir. Quando é comecinho de tarde, Gu começa a apresentar uma febre muito da esquisita. Alta, sem nenhum outro sintoma. Um bichinho me cutucou, lembrei do bilhete que veio na agenda sobre casos de Roséola. Rá, só pode ser isso. Anti-térmico, colo, água, paciência. Adeus festerê noturno. Nossa balada da madruga será com um bebezão com febre. 
Quando é de noite, vejo que ele tem dificuldades pra engolir. Nem o mama vai direito. Dispenso a roséola e penso: "Garganta! Só pode!" Noite agitada, bebê com febre, dor, chororô. Seguimos em turno, eu e Rafa, dando conta do mal estar do mocinho. Quando brilha o Sol, simbora pro PS. A febre tinha dado trégua, mas garganta é dureza, muitas vezes só ATB resolve e ATB só com receita médica.
Fila, espera, várias crianças com o mesmo quadro. Mudança de tempo é nisso que dá. A plantonista nos atende, aquele protocolo normal, quando vê a garganta, dispara: "Olha só como está inflamada!". Parecia uma couve-flor…

Enjôo x Fome

Já estamos na 9ª semana de gestação. Nessas horas eu acho que o tempo se arrastaaaaaaaaa, mas tudo bem. A novidade, não tão novidade assim é que os enjôos não deram trégua. Parece até que pioraram... Oh, céus!


Eu acordo já com dores e com uma vontade horrenda de colocar tudo (?) pra fora. Mas ao mesmo tempo que estou super enjoada, eu quase morro de fome. Mas fome por comida, não por café da manhã. Eu tenho vontade de matar um pratão de feijoada com muita costelinha, bacon e arroz. Daí, penso nisso e passo mal... hahahahahaha... não consigo entender... sério!

Hoje mesmo, acordei e quase botei os bofes pra fora. Na frente da Ana Luiza. Imaginem a carinha de assustada que ela fez. Ainda bem que foi só alarme falso...


O que tem ajudado, pouco, é água bem gelada, com gás. Eu que estava achando que a Coca-Cola iria ser minha melhor amiga, me enganei. Até tomo, mas prefiro água com bolinhas - como diz a Donana. Parece que aquele fundinho doce do gosto da Coca me deixa ainda mais enojada.


Outras…